PADRÃO POLÍTICO BRASILEIRO | Por Marcos Damasceno

O grande problema do Brasil, que, por sinal, é “orgulho nacional”, nas miudezas do dia a dia, é o jeitinho brasileiro. Essa prática secular de levar vantagem pessoal ou grupal é a matriz da corrupção e dos descaminhos da política brasileira. E, o que é pior: quase ninguém admite que o pratica. Praticamos o jeitinho brasileiro, mas não assumimos e repudiamos suas consequências; as consequências dos nossos atos. Esse traço de esperteza faz mal ao Brasil. E, essa falta de ética (de boa parte) provoca o surgimento de leis e mais leis, que, no final, acabam prejudicando mais ainda nossa vida (os bons pagam pelos maus), com a complexidade e a inoperância da legislação brasileira. Continuam por serem letras mortas. Longe de radicalismo; isso é a pura realidade. Em outros países isso existe, mas aqui chega a ser glorioso. A diferença do jeitinho brasileiro do povo para o dos políticos é só de escala. A lei popular do jeitinho brasileiro é invisível (fantasma), mas comum em nosso dia a dia. E poderosa: é usada para resolver tudo. O plano político “genial” (de muitos) é não ter plano algum de respeitar a legalidade e resolver através do jeitinho brasileiro. As interferências na política não ocorrem (muitos admiram isso), exatamente porque há a cumplicidade popular. Eleitores, de fato, há poucos. Para muitos não há eleição. É, sim, oportunidade de negócio. A motivação política é movida pelo interesse pessoal e imediato (dinheiro). Eleição é uma farsa. O dinheiro compra o voto e o poder. Confirma a máxima do Seu Zé, de que “liso é inelegível”. Pra juntar gente, tem que juntar dinheiro. E tal dinheiro quase sempre é invisível. Não é declarado, e seu rastro não é visto. Choca alguns, mas a maioria fez parte do esquema. Senhoras e senhores, quem paga a banda pede a música. O instrumento é sempre a propina. O teatrinho é do sempre: eleitor vende voto, candidato compra o mandato, fiscal vende laudo técnico, tribunais vendem sentença e por aí vai… Todos têm o seu preço? Não. Nem todo mundo é vendível. Ainda há pessoas honradas neste país. E, os bons não podem continuar pagando pelos maus.

Marcos Damasceno (escritor)

One thought on “PADRÃO POLÍTICO BRASILEIRO | Por Marcos Damasceno

  1. Uma boa questão levantada Damasceno. Poderia ser bem ao contrario, mas infelizmente é isso mesmo.A corrupção se tornou normal no Brasil. O Governador baiano J.Wagner até chegou a falar que corrupção é um tema rejeitado pela sociedade. É uma pena que se dê declarações como está. Acho que tá na hora de atacar mais o tema, prendendo e se tornando a corrupção crime hediondo. Acho que se as Leis não sofrerem reformas neste sentido a corrupção vai se tornar uma ATIVIDADE aos hipócritas só precisará regulamentar concurso público para seu preenchimento. Até parece que já tão pensando assim.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.