Por Redovagno Ribeiro | Retrocessos que não impediram nossos avanços políticos e sociais

Redovagno“Caro leitor, você está à pá de expedientes que foram fundamentais para o cenário montado para a contagem dessa história”.

Cremos que a sociedade pilãoarcadense mesmo vitimada pela falta de instrumentos básicos que são basilares para o avanço da vida em comum, não se descuidaram de insistirem nos avanços que nos coloca no mesmo patamar de cidades de portes bem maiores. Numa sociedade cada vez mais ativa e atenta aos seus direitos, cabe a nós dos rabiscos casuais defendermos o rompimento de fatos políticos e sociais que oxigenaram a nossa esperançosa comunidade a avançar a cada dia.

O que expomos a partir de agora, poderá ser objeto de insignificância para alguns, mas por óbvio, será deflagrado por outros como exposição positiva e que marcaram os tempos da nossa única cidade chamada Pilão Arcado. Somos ímpares então, ao menos nisso.

Pilão Arcado não pode mais ser vista como uma cidade pacata e alheia aos olhos do nosso imenso Brasil. Se há algum tempo Pilão nem aparecia no mapa geográfico brasileiro como impropriamente alguns falavam, hoje não se tem mais espaço para esse tipo de argumento de beira de fogueira de São João, de pescador ou coisa e tal.

Não estamos mais diante de um enigma a redescobrir. Pilão Arcado já amadureceu, não pelo fato de seus mais de 200 anos, mas pelo decaído pensamento coronelista que querendo ou não, fomos todos vitimados, e que agora está em contagem regressiva.

Nesta tela bem que poderíamos dizer que ainda vivemos sitiados a um sistema político desastroso, mas não. Não sei se pela ânsia de liberdade de uma vida melhor ou pelo seu amadurecimento, é certo que rompemos vários momentos intrigantes, mas felizmente, temos hoje alguns avanços.

Aliás, data vênia, nosso artigo faz um curtíssimo rebate aos que denigrem de uma forma ou de outra, as duas famílias, que senão as mais importantes, mais foram as que estiveram na bancada dianteira de Pilão Arcado desde a sucumbência da velha cidade. Refiro-me aos Porfírios e aos Ribeiros, como são conhecidos no esplendor dessa cidade. Não queremos dizer que estaríamos num hospício se não fosse a existências dessas duas famílias. Mas é imprescindível começarmos por aí.

Ultrapassada essa ressalva, vamos aos fatos, todos contundentes, diga-se de bom alvitre, para justificarem nossos avanços, objetivo maior do nosso rabisco. Fatos que determinaram os avanços políticos a Pilão Arcado.

Não veremos por aqui o desempenho individual de cada uma das administrações públicas que se passaram e prosseguem até hoje. Seria importante acrescentar seus legados e retrocessos. Mas entendemos que um baixo nível em condução administrativa, que faz minguar a educação e a nossa infraestrutura geral, está abaixo dos temas relevantes que fizeram a nossa firmeza enquanto cidadãos. Isso parte do princípio pessoal de cada governo que não conseguiram saí das cordas dos seus aliados, nem tão pouco fez implantar um governo com vieses republicanos e coletivos. Portanto, matéria distante da nossa fala.

Fato I – Ribeiros e Porfírios

Não sou pai da informação, nem as gerei; sequer teria eu o poder espiritual de soprar e as terem feito surgir, como surgiu Adão e em seguido Eva, o primeiro casal. Mas é sabido que essas distintas famílias tinham entre-se uma rivalidade política e de disputas no fervor da busca pelo poder. Agiam sempre dentro da respeitabilidade e com olhares sempre voltado para os avanços que mais tarde viriam a ser percebidos.

Com significados distintos e com viés políticos, mantiveram-se opostos no campo político por muitos longos anos. Ao final, decidiram pela aproximação. Cair-se-ia aí o primeiro fatohistórico e nasceria um grande avanço político.

Se alguns não veem aí um relevante momento para a história pilãoarcadense. Outros, para o bem social da nação, devem agradecer ao tempo pela inesperada aproximação, que no fundo, faz história e bem a todos aqui de Pilão. Em termos políticos, até pode ter sido apenas a semente que germinaria a chegada ao poder. Porém, o efeito disso é bem superior aos olhos dos que defendem a grandeza de uma democracia, que não pode ser infértil.

Fato II – Instalação da Comarca e Zona Eleitoral

Parece menos importante, mas definitivamente não é. Antes dessa sincronização judicial chegar a Pilão Arcado, tínhamos que nos deslocar até a Comarca de Remanso, nossa cidade coirmã, para termos acesso aos serviços cartorários em geral.

Escrituras, casamentos, reconhecimentos cartorários, assentamentos de nascimentos e de casamentos teriam que passar pelo firmamento do Fórum de Remanso Bahia. Com um tempo para as exceções que ocorriam, em decorrência da existência de cartórios particulares na cidade de Campo Alegre de Lourdes e alguns poucos de apenas assentamentos, na Vila Baluarte, Salinas de Santo Antonio e Nova Holanda.

Com a instalação da Comarca ainda no Governo Zé Lauro, a comunidade passou a buscar e enxergar seus direitos. Apesar da necessidade de melhorias, muitas demandas judiciais trouxeram conforto e agilidade nas vidas dos nossos bravos irmãos ribeirinhos.

As disputas eleitorais tomaram visibilidade e traquejo. Ficamos tão interessados ao comando do executivo que prefeito chegou a perder seu mandato graças à coragem e esforço de cidadãos que testemunharam a prática inadequada de se fazer política. Essa situação ficaria comprovada conforme determinou a Sentença advinda da Representação de nº 51/2004 de 20. 02. 2006, do Juiz Zonal Roberto Paranhos do Nascimento, que tinha como reclamante a Coligação, União, Ação e Democracia. Foi o nosso segundo avanço real.

Fato III– A Lei da Mordaça

Vista por milhões de brasileiros na telinha da Globo e tema do primeiro Livro do Escritor Guarabira Queiroz Lima, parece ter servido de lição a nossa Casa Legislativa. Iniciava-se ali o tempo do ouvir.

A bem da informação, a Lei da Mordaça tinha a nítida intenção de coibir os trabalhos da Paróquia Santo Antonio. Tais trabalhos paroquiais, eram na direção do acesso compartilhado das informações legislativas. As equipes da Igreja comandada pelo Pároco Guilherme Mayer, tinham o cuidado de visitarem a Casa. Era uma luta do Legislativo contra a Igreja que abriam fissuras nas duas esferas representativas da sociedade.

Com a possibilidade de ser rechaçada pela imprensa especialmente pela ABERT, a Casa recuou consideravelmente. Ouviu aquela repercussão e passou a entender que não havia mais espaço para tanta infantilidade administrativa. Nos dias atuais, é quase unanimidade a ideia de transmissão do exercício parlamentar por ondas de rádio. Um serviço necessário.

Assim, Deus ilumine o Pároco Guilherme e Guarabira Queiroz, soldados da agradabilíssima ação que botaram a Casa nos trilhos. Nascia ali um dos maiores avanços sociais e coletivos da nossa ex pacata comunidade ribeirinha. Era o terceiro avanço.

Dizem muitos renomados cientistas que quando descobrirem de fato a origem do universo, que eles supõem que seja o Big-Bang, aí então eles poderão penetrar na mente de Deus. Estranho né? Por este ângulo, digamos que foram fortes orações somadas ao Livro, A Lei da Mordaça Jamais Será Cumprida, que a Casa livrou-se de um drástico tema de repercussão nacional. Por relevância à matéria, pode se afirmar que o Padre Guilherme falou com Deus.

Fato IV – Alternância de Poder

Executivo

No Executivo, talvez a esfera mais criticada na atualidade, houve importantes avanços. Se você acha contraditória a nossa imaginação, é possível que esteja equivocado. No campo do tão generoso bem comum de fato os poderes pretéritos não ofereceram muita coisa não, seque houve na prática alternância de poder. Era de modo ilustrativo um jogo de ping pong. Vez vencia um lado, vez o outro.

Recorro a elementos que muitos desprezam, mas não se pode esquecer que; apesar da Chefia do Executivo sempre ter tido contornos dos Ribeiros e dos Porfírios, mesmo assim, a democracia suportou os péssimos momentos e deixou alguns excelentes para a nossa comunidade.

Os porfírios chegaram ao Poder por ocasião da vitória do Então Prefeito José Lauro Teixeira da Rocha, e mais, por consequência do não entendimento político dos Ribeiros com o falecido Ex Prefeito Heraldo Mangueira até então, base política dos Ribeiros, tendo ele sido eleito graças ao Imortal João Ribeiro do Vale.

Os Porfírios souberam bem aproveitar o desentendimento entre Mangueiras e Ribeiros. Fizeram um governo razoável por longos 17, quase 18 anos. Não fosse o interrompimento precoce do mandato do mais jovem Prefeito da nossa história política Wagner Teixeira Santana, teriam sido 20 anos.

Aquela interrupção flagrou um novo tempo para Pilão. Sem imaginarmos, naquele momento crescia-se a proximidade do DNA político dos Porfírios e dos Ribeiros; juntos elegeram o bancário Roberto Alves Martins, esse, é tido como não um excelente governo, mais aquele que abriu os olhos da comunidade. Ensinando-os, o que seriam direitos e deveres. O medo e o formato coronelista de governar sofreria ali um duro golpe. Felizmente a sociedade passava a se organizar em busca de seus valores.

Dois avanços ocorreram naqueles curtos 23 meses e 07 dias, estendidos entre  o dia 23 de janeiro de 2007 a 31 de dezembro de 2008.

Reafirmando, de fato amadureciam ali uma grande parcela trabalhista de Pilão Arcado, entre eles, os nosso professores que não mediram esforços por melhorias salariais e estrutura de trabalho. Seria o primeiro de dois avanços daqueles anos de bronze.

O segundo avanço dos anos de bronze, bem que poderiam ser de prata; pela sua abertura democrática, foi a vitória de Martins com o apoio de um dos Xodós do então mandatário José Lauro.

João Ubiratan Queiroz Lima voava obstinado a ir em busca da cadeira de Prefeito. Seu inicial universo na qualidade de Xodó de José Lauro, de quem fora vice prefeito por três vezes, não lhe garantia o Diploma de Prefeito. Razão porque desembarcou dos Porfírios, digo, de José Lauro e foi se somar a Ribeiros e Roberto Martins.

Deu certo seu voo. Tanto deu certo que pousou por duas vezes na tão sonhada cadeira de prefeito. A mesma que Wagner Santana tinha chamado de Cadeira do Diabo certa vez em um discurso em praça pública.

Dizem que citar demônios traz azar, se isso tiver conotações com a verdade, talvez os anjos dele tenham dito amém. João foi o primeiro prefeito a sacudir o país de norte a sul da nossa história política. De forma negativa entramos para o rol de cidades corruptas. Coisa que precisa ser reparado. O Programa Laranjas do Sertão, visto e revisto nos deixou perplexos pela sua natureza vertiginosa.

Mas em fim, surgia-se ali na prática, o amadurecimento democrático de Pilão Arcado. Democrático por que João Ubiratan, deixava seu seio familiar politicamente para cumprir a sua trajetória, sonho que o acompanhava desde menino, assim ele mesmo enfatizou em seu discurso de posse no Cargo de Prefeito em 1º de janeiro de 2009. Portanto, sonho que se tornou realidade, determinado por Deus, até porque, o mesmo sonhador, viraria prefeito por duas vezes. Este é o nosso quarto avanço político. Avançou tanto que não há mais impedimento para um cidadão se tornar prefeito. Venha ele de onde vier. Não importa a família ou partido.

Legislativo

Sequer tinha expediente normal até a metade da década de noventa. Como se novidade fosse, aquela Casa foi sendo sufocado pela legislação nacional e passou a se adaptar às realidades brasileiras.

Fez seu Regimento Interno e Aprovou a Lei Orgânica Municipal, que muitos dizem que é uma fotocópia da Lei Orgânica da crescida cidade de Ilhéus na Bahia, e, as pôs em prática. Mais tarde estruturou a carreira de seus servidores, incluindo-se aí Procuradores e Assessores Parlamentares. É a única Casa Legislativa com 13 Vereadores da região.

A Edilidade tinha uma cultura inarredável. Jamais seus componentes elegiam seu presidente se este fosse de primeiro mandato eletivo. Novato de Casa jamais podia ocupar o mais alto cargo do Legislativo, o de presidente da Mesa Diretora. Falar disso por lá seria uma ameaça aos decanos da Casa, deles com até seis mandatos presidenciais. Era caso de rompimento político. Isso quebrou, ou melhor, escacalhou. Isso se chama amadurecimento da democracia.

Se tornou realidade com a eleição de Marcos Aurélio Silva Evangelista, presidente da Casa entre 2007 e 2008. Em seguida avançou ainda mais com a primeira mulher presidente da Casa, Clécia Rodrigues da Rocha, já em 2011 e 2012, por consequência do afastamento de Carlos Alberto Rodrigues da Silva. Sepultou, pois, a prática, com a inédita eleição de Thaísio Rodrigues Ribeiro, oposicionista que chegou ao comando da Augusta Casa aos 22 anos. Isso são momentos que nos faz respirar novos tempos. Sua chegada ao cargo teria sido por conta do medo que o Governo Participativo tinha de se tornar coadjuvante de alguns rebelados aliados e prestes a tirar o comando do Legislativo.

Como diz o ditado popular. “Perdido por perdido, perdido por muito logo”. Assim teria ordenado o Governo. Joguem o anzol vê que peixe se pesca. Era essa a situação. Mas isso só a título informativo, pois só o tempo dirá quem pescou o melhor peixe. Até agora a democracia vem vencendo com larga vantagem.

Neste longo processo de amadurecimento duas situações voltaram a expor de forma negativa a imagem da Casa. A denúncia ao Vereador Everton Luiz por suposta quebra de decoro, por que segundo o reclamante ele recebia sem trabalhar, o salário de Servidor Público. Foi um fiasco causado a Câmara. Parecia que a vigência da Lei da Mordaça estava de volta. Para a sua sorte, foi corrigida imediatamente pelo Judiciário que reconduziu o Vereador. Lembrar isso por lá ainda tira o sono tanto de quem votou pela cassação quanto daqueles que foram pela absolvição.

A outra foi bem inusitada. A Câmara perdeu seu presidente após reclamação de seus pares na justiça, alegando super carga no Parlamento, que ao invés de 09, 13 Senhores Edis. Caiu ali quatro Vereadores, entre eles o presidente Carlos Alberto Rodrigues da Silva. Esvaziava-se ali o plenário, quanto aos repasses constitucionais, permaneceram imexíveis.

Ainda que existam as insatisfações e a ânsia por melhorias sociais, houve avanços que a história jamais apagará. Essa foi a colaboração de momentos que a política fez e desfez. Porém, serviram de alicerce aos poucos avanços que ainda temos.

Sabe-se que da boca das pessoas sai muito a frase: Pilão parou no tempo e não tem mais jeito. Olhando de forma geral têm razão aqueles que falam isso. Só não temos razões para afirmamos que os olhares não estão diferentes. Ativos e afetos a uma boa infraestrutura, o povo começa a praticar ações que engrandecem a eles próprios.

Não se sabe qual será o resultado do pleito de 2016. Mas uma certeza que virá, será a ausência de um Porfírio no poder. O atual mandatário é mestre em articulação, porém não demonstrou nenhum projeto político para a partir de lá emplacar um membro próximo com a rubrica Porfírio a lhe suceder.Tai a sua maior fraqueza, creio eu. Fraqueza que talvez o faça distante do poder a partir de 2022. Será algo surpreso para quem lutou por vários anos.

Algo anuncia que mesmo depois de tantos anos longe do comando do Executivo.

A supremacia dos Ribeiros continuará viva na política. Isso por dois motivos lógicos e vistos a olho nú. O primeiro porque construíram um patrimônio eleitoral que até hoje lhes restam ao menos um representante no comando da política dos Ribeiros, o segundo porque não carregam a maldição de péssimos gestores. As críticas aos mais de vinte anos ao Governo do então Prefeito João Ribeiro do Vale, são bem humoradas e não passam de declamações e versos que revivem o pai da malha viária de Pilão Arcado.

Ao contrário deles, os Porfírios vacilaram. Por conseqüências chegaram ao poder e por elas sairá novamente. Esses erros não serão mais reparados. Talvez seja aí o pecado maior do Governo Participativo. Esqueceu-se de construir seu patrimônio eleitoral. Isso lhes fará muita falta, e o pior, causará arrependimento talvez. Correm o riso de caírem até no esquecimento. Para nós, será uma pena, nossos professores chegar a esse ponto. Tomara que não, até porque, fizeram história. Antônio Gomes de Lima seu maior líder, já não existe mais para rejuvenescer os planos e ir a luta. Coisa fácil para ele quando desbravador e conselheiro das famílias de Pilão Arcado.

São visões que não tiram o brilho dessas duas famílias que resistem ao tempo e faz render bons tempos ao currículo político de Pilão. São rabiscos que desde a reinauguração de Pilão, que, seria reinstalada em Mandarino se tivessem sido a gosto do Padre João, que nos dá o prazer de sermos pilãoarcadenses. O gentílico mais lindo e quer queiram, quer não, está estampado no mapa geográfico brasileiro e ninguém lhe pode estranhar.

Aliás, a dor e as lágrimas derramadas quando da mudança de Pilão Arcado para onde está sua sede hoje, também não se apagam. O Governo Federal nos traiu. Pilão Arcado velha, jamais fora inundada como alegou Emílio G. Médici, por via do Decreto nº 73.418/1974, para nos expulsar de lá. Seu objetivo era outro. Quer seja, a geração de energia. Mas para isso, foi obrigado a nos tirar o prazer de morarmos às margens do imenso Rio São Francisco.

Dois anos antes, o mesmo mandatário brasileiro autorizava a Companhia Hidro Elétrica do São Francisco a construção da Barragem de Sobradinho, isso fora no dia 10 de fevereiro de 1972, pelo Decreto 70.138/72, começava ali a mudança de endereço da sede municipal de Pilão.

Por lá ficaram a nossa belíssima Igreja de Santo Antonio de Pádua, o pico do amor, o cruzeiro que abençoava a cidade, a pedra do remanso, e tantos outros palácios históricos, que quando os olhamos, as lágrimas voltam a cair.

Ruínas e restos de construções e até do cais, nos olha como se dissesse; volta pra mim. A maior vítima foram nós que a décadas estamos sem ouvirmos juntos a brisa do Rio São Francisco.

Para nosso bem, em vinte curtos dias de governo, Edinália Borges de Santana Antunes, nos deu o prazer de visitar aquela sofrida e desabitada cidade. Foi ela quem reabriu a estrada que beirando o rio, vamos até lá rever o rastro de destruição e de saudade.

Pois bem, entre avanços e retrocessos, ainda nos resta dizer. Sobrevivemos a tudo isso e hoje somos quase quarenta mil cidadãos que enfrentam a vida como se nada de ruim tivesse existido.

Ok Pilão Arcado, entre Ribeiros, Porfírios, Silvas, etc, etc, você é a nossa maior paixão. Habita com presteza todas as famílias. Estamos com você!!

Por Redovagno Gomes Ribeiro / 24 de agosto de  2015

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.