Prefeito de Campo A. de Lourdes busca viabilizar exploração de minérios no município

Prefeito de Campo A. de Lourdes busca viabilizar exploração de minérios no município

De acordo com a publicação em rede social, o prefeito de Campo Alegre de Lourdes, Enilson Marcelo, juntamente com o Deputado Estadual Zó, estiveram em Juazeiro, reunidos com representante da Companhia Baiana de Pesquisa Mineral, buscando estudos e pesquisas para viabilizar a exploração de minérios no município.

O tema é polêmico, e a ausência de um debate amplo com a sociedade Campoalegresse, seria um grande retrocesso, uma vez iniciada, a exploração de minérios no município irá refletir diretamente na população. O exemplo de Angico dos Dias, deve ser visto, se a população daquela localidade estão satisfeitos, caso contrário, ou afirmativo deve ser levado em consideração.

Apesar de trazer desenvolvimento econômico — a atividade mineradora apresenta alto potencial de impactos ambientais. Como é o caso da poluição de aguadas, do solo das lavouras, além da perda de biodiversidade tanto em relação à fauna quanto à flora.

Abaixo, publicação no site da Diocese de Juazeiro (http://diocesedejuazeiro.org.br/) sobre a exploração de minérios no Morro do tuiuiú, parte do texto abaixo trás entidades que são contra a exploração de mineração no município;

VIII Romaria em Defesa da Vida contra a mineração, em Campo Alegre de Lourdes, alto sertão baiano, fronteira com o Piauí, manhã de 20 de maio de 2018. Cerca de 800 pessoas desafiam o calor escaldante do fim das chuvas e caminham sob um rio de sombrinhas coloridas. São três km de poeira, da comunidade de Barreiro até o sopé do morro Tuiuiu, numa clareira em meio à caatinga na beira da estrada. O morro, ponto mais alto do município de cerca de 2.800 km2 e 30 mil habitantes, figura até no brasão da cidade. É rico em minérios – ferro, ouro, titânio e vanádio -, como são 82% do município.

A mineração de fosfato no maior povoado, Angico dos Dias, habitado por mais de mil pessoas, degradou violentamente a vida do lugar e assusta a população de toda a região. Outros empreendimentos estão chegando e trazem muita preocupação. A romaria, promovida pela Paróquia, Comissão Pastoral da Terra, Comunidades Eclesiais de Base e outras organizações da Igreja Católica, Sindicato dos Trabalhadores Rurais e entidades de apoio técnico-agrícola, quer ser um alerta e um apelo à resistência popular. Com paradas e depoimentos, em meio a cânticos e orações, a peregrinação focou o mesmo tema da Campanha da Fraternidade deste ano: “Superação da Violência: direito e dever de cada pessoa”.

TEXTO ABAIXO, REDE SOCIAL;

Bahia Campo Alegre de Lourdes