APLB SINDICATO E CATEGORIA SÃO CONTRA MUDANÇA DE NOME DA ESCOLA REITOR EDGARD SANTOS

APLB SINDICATO E CATEGORIA SÃO CONTRA MUDANÇA DE NOME DA ESCOLA REITOR EDGARD SANTOS

8 de outubro de 2019 0 Por Por Lucas Nunes

No dia 04 de outubro, na Câmara de Vereadores de Campo Alegre de Lourdes surgiu um projeto de lei propondo a mudança do nome da Escola Reitor Edgard Santos para Escola Municipal Luiz Antônio Dias Soares.

A proposta de mudança trouxe surpresa à classe dos Profissionais de Educação do Município e grande discordância, pois os professores e muitos do pessoal de apoio disseram ser contra essa mudança.

Diante de tantas necessidades que o município se encontra, tantos projetos que podem ser feitos em benefício da população, o que se tem a apresentar é uma proposta que não trará nenhuma relevância para a educação do município?

Por que não projetarem construção de escolas técnicas, profissionalizantes, ou centros de cultura e lazer?

Há muitas questões a serem apresentadas em prol da melhoria do município e para qualidade de vida dos campo-alegrenses e mudar o nome de uma escola não é uma delas!!

Por que não apresentam um projeto de uma escola nova, votem pela aprovação e lutem para realização da mesma e depois a batizem com o nome acima citado? Deixamos claro aqui que não achamos que o nome proposto à homenagem não seja digno, estamos nos posicionando contra a mudança do nome da referida escola, que todos conhecem muito bem e pelo nome que sempre teve, desde sua inauguração.

Pedimos aos nobres vereadores que não votem esse projeto, pois do contrário, estarão agindo contra a categoria da Educação, que é quem tem convívio e passagem por essa Escola de grande nome que é ESCOLA REITOR EDGARD SANTOS.

Deixamos aqui uma breve biografia de quem foi o Reitor Edgard Santos:

Filho do Dr. João Pedro dos Santos e de Amélia do Rêgo Santos, aos 17 anos preparava-se para ingressar na Faculdade de Direito da Bahia, mas mudou de planos após o bombardeio da cidade de Salvador, em 1912, e tornou-se um dos mais brilhantes alunos da Faculdade de Medicina, onde opta pela clínica médica.

Formou-se na Faculdade de Medicina da Bahia, em 1917. Clinicou na cidade de São Paulo, entre 1918 e 1922, ano em que volta para a Bahia. Em seguida, segue para a Europa, em viagem de estudos e trabalho em hospitais da França e Alemanha.

De volta ao Brasil em 1924, ingressa por concurso no quadro de docentes da sua Faculdade de Medicina, como lente da recém-criada cátedra de Patologia Cirúrgica. Neste concurso apresenta duas teses: “Câncer de bexiga” e “Intervenção cirúrgica nos domínios do simpático“. Assume a direção do Hospital do Pronto-Socorro de Salvador, função que exerceu até 1937, acumulando com a direção da Faculdade de Medicina da Bahia, a partir de 1936.

Após a extinção do Estado Novo, esteve à frente da unificação das faculdades baianas na Universidade da Bahia, fundada em 8 de abril de 1946, da qual foi o primeiro reitor. Reeleito sucessivamente para o cargo, até 1952, ganhou o epíteto de o Reitor Magnífico, dado pelo Senador Ruy Santos.

Como reitor, criou o Hospital das Clínicas da Universidade – que hoje tem o seu nome e é um dos mais importantes da capital baiana. Deu um grande impulso às artes na Universidade, com a criação das primeiras escolas superiores de MúsicaTeatro e Dança do Brasil, além da instalação do Museu de Arte Sacra da UFBA, no Convento de Santa Teresa.

Por um curto período, foi Ministro da Educação, durante o segundo governo de Getúlio Vargas. Nomeado em 6 de julho, deixa o cargo em 2 de setembro de 1954, logo após o suicídio de Vargas. Retorna à Universidade da Bahia.

Em 9 de março de 1959 torna-se membro da Academia de Letras da Bahia.

Em 1961 foi destituído do cargo que desempenhara como nenhum outro, durante 15 anos de trabalho profícuo, desde a criação da Universidade. Como compensação, é nomeado Presidente do Conselho Federal de Educação. ( fonte: Wikipedia).

Fonte: Nota APLB Campo Alegre de Lourdes