APLB SINDICATO E CATEGORIA SÃO CONTRA MUDANÇA DE NOME DA ESCOLA REITOR EDGARD SANTOS

No dia 04 de outubro, na Câmara de Vereadores de Campo Alegre de Lourdes surgiu um projeto de lei propondo a mudança do nome da Escola Reitor Edgard Santos para Escola Municipal Luiz Antônio Dias Soares.

A proposta de mudança trouxe surpresa à classe dos Profissionais de Educação do Município e grande discordância, pois os professores e muitos do pessoal de apoio disseram ser contra essa mudança.

Diante de tantas necessidades que o município se encontra, tantos projetos que podem ser feitos em benefício da população, o que se tem a apresentar é uma proposta que não trará nenhuma relevância para a educação do município?

Por que não projetarem construção de escolas técnicas, profissionalizantes, ou centros de cultura e lazer?

Há muitas questões a serem apresentadas em prol da melhoria do município e para qualidade de vida dos campo-alegrenses e mudar o nome de uma escola não é uma delas!!

Por que não apresentam um projeto de uma escola nova, votem pela aprovação e lutem para realização da mesma e depois a batizem com o nome acima citado? Deixamos claro aqui que não achamos que o nome proposto à homenagem não seja digno, estamos nos posicionando contra a mudança do nome da referida escola, que todos conhecem muito bem e pelo nome que sempre teve, desde sua inauguração.

Pedimos aos nobres vereadores que não votem esse projeto, pois do contrário, estarão agindo contra a categoria da Educação, que é quem tem convívio e passagem por essa Escola de grande nome que é ESCOLA REITOR EDGARD SANTOS.

Deixamos aqui uma breve biografia de quem foi o Reitor Edgard Santos:

Filho do Dr. João Pedro dos Santos e de Amélia do Rêgo Santos, aos 17 anos preparava-se para ingressar na Faculdade de Direito da Bahia, mas mudou de planos após o bombardeio da cidade de Salvador, em 1912, e tornou-se um dos mais brilhantes alunos da Faculdade de Medicina, onde opta pela clínica médica.

Formou-se na Faculdade de Medicina da Bahia, em 1917. Clinicou na cidade de São Paulo, entre 1918 e 1922, ano em que volta para a Bahia. Em seguida, segue para a Europa, em viagem de estudos e trabalho em hospitais da França e Alemanha.

De volta ao Brasil em 1924, ingressa por concurso no quadro de docentes da sua Faculdade de Medicina, como lente da recém-criada cátedra de Patologia Cirúrgica. Neste concurso apresenta duas teses: “Câncer de bexiga” e “Intervenção cirúrgica nos domínios do simpático“. Assume a direção do Hospital do Pronto-Socorro de Salvador, função que exerceu até 1937, acumulando com a direção da Faculdade de Medicina da Bahia, a partir de 1936.

Após a extinção do Estado Novo, esteve à frente da unificação das faculdades baianas na Universidade da Bahia, fundada em 8 de abril de 1946, da qual foi o primeiro reitor. Reeleito sucessivamente para o cargo, até 1952, ganhou o epíteto de o Reitor Magnífico, dado pelo Senador Ruy Santos.

Como reitor, criou o Hospital das Clínicas da Universidade – que hoje tem o seu nome e é um dos mais importantes da capital baiana. Deu um grande impulso às artes na Universidade, com a criação das primeiras escolas superiores de MúsicaTeatro e Dança do Brasil, além da instalação do Museu de Arte Sacra da UFBA, no Convento de Santa Teresa.

Por um curto período, foi Ministro da Educação, durante o segundo governo de Getúlio Vargas. Nomeado em 6 de julho, deixa o cargo em 2 de setembro de 1954, logo após o suicídio de Vargas. Retorna à Universidade da Bahia.

Em 9 de março de 1959 torna-se membro da Academia de Letras da Bahia.

Em 1961 foi destituído do cargo que desempenhara como nenhum outro, durante 15 anos de trabalho profícuo, desde a criação da Universidade. Como compensação, é nomeado Presidente do Conselho Federal de Educação. ( fonte: Wikipedia).

Fonte: Nota APLB Campo Alegre de Lourdes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *